• Image 01
  • Image 02
O Processo de Rating

O O processo de rating começa após a solicitação formal da empresa de uma classificação para ela mesma ou para uma obrigação específica emitida por ela. Depois de assinado um Contrato, a empresa recebe um detalhado questionário onde são solicitadas as informações necessárias para se iniciar o processo de classificação. Dentre estas informações constam:

  • PLANO DE NEGÓCIOS
  • PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO
  • DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS CONSOLIDADOS
  • PROJEÇÕES E ORÇAMENTOS
  • PLANOS DE INVESTIMENTOS
  • POSICIONAMENTO NO MERCADO
  • CAPACIDADE FINANCEIRA DOS SÓCIOS

De posse destas informações, LFRating® designa um analista que coordenará o processo e solicita à empresa que defina um interlocutor. analista conduzirá todo o processo junto ao seu grupo de trabalho e, em caso de necessidade, solicitará apoio do Gerente de rating.

Durante o processo de classificação, o analista responsável pelo rating poderá solicitar informações adicionais à empresa. Em alguns casos, LFRating® poderá utilizar consultores e fontes externas de informações gerais como subsídio ao processo de análise. Dependendo da complexidade da análise, LFRating® poderá solicitar ajuda de especialistas de diversas áreas como forma de aprimorar o resultado da classificação.

Após a análise das informações recebidas, o analista responsável programa uma visita ao local onde a empresa está instalada, visando o conhecimento da empresa e do seu negócio, através de entrevistas com seus administradores. Com base nessas informações, o analista fará uma análise de consistência envolvendo as informações recebidas e aquelas constantes nos documentos.

A seguir, o analista responsável completa sua análise, utilizando conceitos, parâmetros e matrizes de avaliação desenvolvidas por LFRating®. Na realidade, durante o processo de análise, o analista e sua equipe proveem notas objetivas para cada segmento analisado.

Por exemplo: ao analisar o plano de investimentos de uma empresa, os analistas poderão classificar os vários segmentos, como a adequação financeira e temporal dos investimentos projetados, com notas, numéricas ou literais, com o objetivo de definir, de forma precisa, sua opinião sobre aquele ponto específico.

Nesse contexto, vale ressaltar que as várias notas e conceitos que são formados ao longo da análise serão a matéria-prima para a obtenção do rating final. Não há uma fórmula pré-determinada que transforme um em outro, ou seja, não há um programa computacional que consiga gerar um rating. Rating é uma opinião, formada por aspectos subjetivos e objetivos, que se juntam em proporções diferentes em cada caso analisado.

Terminada a análise, o analista responsável submete sua opinião a um pré-comitê de rating, formado por ele mesmo e o Gerente de rating. A seguir expõe suas conclusões ao Comitê de rating, formado por ele e até mais quatro participantes externos, não envolvidos com o processo de rating, isentos de qualquer conflito de interesse com a empresa analisada, e escolhidos entre especialistas. É importante destacar que o Comitê não é do envolvidos na operação (emissor, estruturador ou credor), de forma a não existir interferência na decisão de rating.


Argus Agência Classificadora de Risco de Crédito
Rua Araújo Porto Alegre, 36/8º parte - Rio de Janeiro – RJ
55 21 2272-9603
info@lfrating.com
© 2016 por Argus Classificadora de Risco de Crédito Ltda.
Todos os direitos reservados conforme Lei 9.610/98